domingo, 22 de fevereiro de 2009

dói.

E então, em um belo dia de sol, ele atravessou a rua e foi embora. O céu estava azul como eu nunca tinha visto antes. O sol parecia sorrir daqueles que procuravam uma sombra. Mas ele entrou no carro, ligou o rádio, arrumou os espelhos e foi embora. Caralho. Eu fiquei da porta vendo ele se distanciar bem lentamente, como se fosse de propósito, como se quisesse trazer mais dor e mais dor e mais dor. E dessa vez eu vi que o tempo lindo lá fora não reflete na tempestade aqui dentro. Enquanto o sol brilha e as pessoa andam pensando em nada na praça, aqui dentro chove. Chove, neva, petrifica cada centímetro inabitado do meu coração sem graça. Ele parece um trapinho. Fica dentro do armário e às vezes eu lembro de tirar, uso um pouco e guardo outra vez. Está com cheiro de mofo, todo verde e furado. De fato parece um trapinho. Meu coração parece um trapinho sujo e amassado. - Alou? Onde você está? Heim? Não consigo te ouvir. Você está ouvindo música? Alou? Alou, cacete! Ele desligou... Volta pra casa, vai? Volta pra casa, por favor! Dormir abraçando o travesseiro me corta a alma por inteiro. Volta pra mim. Volta pra nós. Vamos reviver a sensação gostosa do primeiro beijo. Faz tempo que eu não vejo a beleza da música que antes era linda. Faz tempo que eu não escrevo de amor como antes. Faz tempo que eu não escuto os sons, não sinto a vida. Volta pra mim. Ainda agora mesmo eu fechei meus olhos e senti a sua mão pequena segurando a minha, como naquela noite quente de janeiro em que os seus olhos pareciam pintados à mão e as suas palavras entravam com calma dentro de mim e todos os seus beijos entravam calados e minha pele gritava, meu coração explodia, meus pêlos arrepiavam e tudo em mim entrava em uma ebulição continua. Volta pra casa. Eu sento em frente ao interfone e espero você chegar. Eu olho pela janela do quarto enquanto a lua espera que eu faça algum elogio pra ela, mas ela não tem me chamado a atenção ultimamente. Eu quero gritar. Sair pela rua e gritar como um louco. Quero sair e gritar o quanto eu amo você. Esse grito contido me sufoca. Eu quero gritar que as saudades entram em mim como se fosse ferro quente queimando meu coração. Essa angustia de não saber onde você está, que roupa usou, como foi seu dia. Essa maldita dor. Por isso eu odeio amar. Já cansei de perceber que eu não estou pronto pra isso. Amar dói demais pra mim. Não deveria, mas dói. É lindo, é sublime, é incrível e encantador, mas dói. Não quero sofrer. Não quero mais ficar esperando por você enquanto você não vem. Não quero mais cair de bêbado na rua porque você simplesmente resolveu ir embora naquele tal dia de sol. Eu já pedi tantas vezes. Por favor, volta pra casa. Prometo que eu faço tudo direitinho dessa vez. Prometo levar café na cama e dar bom dia sempre de bom humor. Prometo que não fumo mais no quarto. Eu sei que você tem alergia e prometo que eu não vou mais fazer você ficar espirrando o tempo todo. Eu juro que vou segurar sua mão, olhar bem lá na sua alma e falar com todo o meu coração que você é a coisa mais importante da minha vida e que cada vez que eu vejo você, meu coração bate de volta. Meu trapinho bate de volta. E que todas as vezes que você chegar cansado ou de mau humor, vou ficar quietinho, lendo um livro e esperar a hora de você olhar pra mim, dar um sorriso, me chamar pra deitar contigo e, finalmente, começar a falar e rir mais ainda. Eu prometo que vou regular a água do chuveiro naquela temperatura que você gosta e que não vou mais esquecer alguma roupa molhada do seu lado da cama. Ainda estou aqui, sentado na cama de pernas cruzadas, fumando o ultimo cigarro do maço e secando as vadias lágrimas que eu insisto em derrubar. E quando você chegar, pode entrar sem bater. Boa noite.

5 comentários:

willa Albuquerque disse...

"Sair pela rua e gritar como um louco. Quero sair e gritar o quanto eu amo você."

Quem nunca quis?!
:}


Beijos!

Tatiana M. disse...

eu estou em falta com você, mas a falta que eu sinto de você é maior ainda.
eu te amo.
a gente vai dar certo.

princesinha do mar disse...

Sô!

eu nunca mais te vi no msn... e olha que você aparece bastante por lá! deve ser por que eu entro durante 15 min. entre as 4 e 6 da manhã.

saudades >.<'

San disse...

"E dessa vez eu vi que o tempo lindo lá fora não reflete na tempestade aqui dentro. Enquanto o sol brilha e as pessoa andam pensando em nada na praça, aqui dentro chove."

Realmente falou tudo aqui, quem nunca sentiu isso!!!

Prometi, cumpri!!!
Te cuida.

suzana disse...

e ai parou de escrever amoooor nao para nao eh tudo tao lindooooo